imagesCACHS7ZF“Quem nunca viveu um desses momentos mágicos onde parece que tudo foi programado por uma força além do nosso controle para que encontros ou acontecimentos preciosos mudassem definitivamente os rumos das nossas vidas?

As chamadas coincidências significativas, ou sincronicidades, são sempre um impulso novo na nossa jornada evolutiva e trazem entusiasmo e esperança, pela certeza que por trás de tudo existe uma força que nos guia e protege.

É onde o tempo do ego e o tempo Divino se encontram por momentos… mas que podem fazer uma enorme diferença nos nossos destinos…

Quando estamos abertos para ver e para seguir os sinais que as sincronicidades nos indicam, afrouxando um pouco o controle do ego, manifestam-se na nossa realidade experiências que não nos deixam nenhuma dúvida de que existem muito mais coisas do que aquelas que podemos provar e que permanecem dentro dos parcos limites da razão.

Foi Jung em seus estudos e observações da correspondência entre a mente inconsciente e o mundo exterior, quem deu o nome de Sincronicidade a essas coincidências significativas, eventos que ocorrem no mesmo espaço/tempo sem relações de causa e efeito e que – por ter um significado – trazem alguma coisa especial para quem as vive.

Ele observou como sonhos e outros fenômenos podem coincidir com situações que acabam se manifestam em nossa realidade com significado semelhante ou exatamente com o mesmo significado do sonho ou da intuição.

Chamou de acontecimentos sincrônicos as coincidências de um estado psíquico com um acontecimento exterior mais ou menos simultâneo, ou futuro, que só poderá ser verificado posteriormente.

Essas coincidências significativas vêm para nos indicar caminhos que sempre trazem oportunidades de crescimento que muitas vezes aceleram o nosso processo evolutivo ou nos preparam para acontecimentos futuros…

Quando acontece uma sincronicidade assim nos vemos tentados e encontrar todas as explicações possíveis, mas as sincronicidades muitas vezes só vão sendo entendidas mais à frente, quando outras coincidências significativas acontecem naquele mesmo contexto para clarear mais ainda as histórias.

Às vezes é preciso aceitar que existem coisas que não são para ser explicadas porque estão, como uma seta, só indicando um caminho e não precisam ser dissecadas. Se pararmos muito tempo em busca de explicações poderemos perder a magia do que está sendo mostrado… e se nos prendermos muito aos detalhes jogamos fora o significado no todo.

Quando vou por uma estrada e vejo uma placa indicando a direção que eu devo seguir para chegar ao meu destino… não paro para examinar de que material é a placa e nem me perco em tentar descobrir porque ela é dessa ou daquela cor… simplesmente sigo a orientação, porque sei que vou chegar ao lugar indicado. Eu acredito que com as sincronicidades a gente tem que agir um pouco assim… tentar entender, mas sem se prender muito às explicações racionais dos sinais… seguindo na direção que nos é mostrada com a certeza que a partir dali novas sincronicidades irão continuar nos guiando para que encontremos o que é do nosso destino.

As sincronicidades trazem uma preciosa energia de entusiasmo e se aproveitamos esses presentes do ‘grande mistério’, somos encaminhados para novos lugares, novos projetos, novos amores… novas maneiras de ser e de perceber a vida…”

Ver texto integral de Rubia A. Dantés em:
http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/conteudo.asp?id=4070